Home Opiniões Relacionamento & Cotidiano Ciclo da vida

Ciclo da vida

Nasce, cresce, casa, reproduz e morre. Este é o ciclo da vida do ser humano, não é exatamente o que vem estampado nos livros de biologia, mas claramente o que a sociedade lhe cobrará.

Obviamente meu nível de insanidade não é tanto para contestar os itens nascer, crescer e morrer. A minha rixa do momento é relacionada ao casar e reproduzir os quais qualquer alteração em sua ordem de aparição ou em sua existência pode criar um caos na mente de nossos vizinhos, familiares (destaque para as avós) e quaisquer outros intitulados como “normais” no ambiente social.

Casar. Não que eu seja exatamente contra casamentos, apenas me intriga como alguns “sonham” com um relacionamento. Como podemos sonhar com algo que depende de um outro ser que ainda não conhecemos? Não existem regras fixas para diferentes tipos de pessoas, acredito que cada relação tem seu melhor de alguma forma e não seria um conjunto único de regras que valeria para todos. Talvez morando juntos e dividindo a mesma cama, talvez separados cada um em um país, quem sabe? Acordar cedo com alguém do lado te dando um beijo de “bom dia” pode não ser o ideal e mais saudável para algumas pessoas. O que a maioria faz é isso: se encaixam nas imposições previstas, sem uma real análise de quais as regras (ou falta delas) farão daquela relação o melhor para ambos.m

Reproduzir. Nossa, não é algo muito confortável de se dizer, então vamos às adaptações necessárias. Ter filhos. Pronto, já casamos, agora que venham os bacuris, certo? Para alguns sim, desde que seja opcional. Não querer casar e ter filhos: ok, desde que seja opcional. Adotar uma criança: ok, desde que seja opcional. Não ter filhos: ok, desde que seja opcional. É isso, não existe uma fórmula, deve ser de acordo com sua opção. Certo ou errado, adequado ou não, quem decide isso é unicamente você.

É humanamente impossível que o mesmo modelo deixe todos completamente realizados, então respeite as diferenças e, muito menos previsível do que isso, respeite-se. Vamos usar o mínimo aceitável do cérebro para fazer nossas escolhas e não deixe a vida te levar para o lugar comum. Pense, escolha e, enfim, faça porque isso tudo é sua vida e a sua vida deve ser inteiramente vivida do seu jeito.

(Visited 230 times, 13 visits today)

Comentários do Facebook


5 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom texto. Embora vivamos em 2014, querem que casemos, reproduzimos e blá blá bla

  2. Ótima reflexão! Infelizmente a maioria quer que todos vivam dentro da “normalidade”. Só que há vida fora da “normalidade”…

  3. Esse texto abre portas e janelas para tantas outras reflexões que eu poderia ficar horas divagando sobre vários assuntos relacionados… Mas destacaria a principal delas, vivemos num mundo em que há dualidade em tudo, noite e dia, feminino e masculino, bem e mal, e todas tantas outras coisas que de cara parecem opostas ou antagônicas, mas o fato é que tudo é questionável, a verdade e a mentira, o certo e o errado, enfim, simplesmente tudo, e como não poderia deixar de ser inclusive o NORMAL! Bom né!

  4. No inicio de carreira, depois de tanto estudar, você conhece um pessoa, e quer o ciclo da vida (casar e logo sem pensar, ter filhos). Hoje aos 51 anos, sem carreira, esperando a aposentaria. Reflito sobre a quebra do ciclo da vida, como seria? As escolhas foram minhas, porém sem reflexões em algumas momentos.

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Solteirar.com. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Solteirar.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Cadastre-se e não perca nada do Solteirar.com!
Receba nossa newsletter.




Paulistana, 22 anos, DJ, solteira bipolar. Seria trágica se não fosse cômica (assim como sua vida amorosa). Amante do bom e do péssimo rock. Nada de meios-termos, por favor. Hobbies: filmes, séries, HQs e longos e relaxantes passeios por brechós. Seus textos são frutos de suas crises internas e críticas aos padrões sociais.

ARTIGOS SIMILARES

0 144