Home Opiniões É possível ser feliz sozinha

É possível ser feliz sozinha

0 1073

Recentemente consegui um trabalho em Porto Alegre. Já sabendo que enfrentaria um desafio e tanto (afinal, os paulistas são difíceis, mas os gaúchos…), decidi não desperdiçar a oportunidade de colocar as rodas da minha possante nas estradas em direção ao Sul…

Já no primeiro final de semana, antes mesmo de começar o batente, aproveitei para revisitar os inesquecíveis Parques do Caracol e da Ferradura, com seus mirantes e trilhas de tirar o fôlego (literalmente) e até com banhos de cachoeira. Mal esperava rever aquela belezura toda.

Há anos e anos, em minha estreia na região, ainda era possível descer até a base da cachoeira Caracol (hoje, a escadaria foi substituída pelo teleférico)… Não tenho mais as fotos daquela época, mas esta parte da minha capengante memória continua intacta.

O dia estava lindo e ensolarado quando cheguei em Canela. Decidi, antes de partir para a aventura, fazer o check-in na pousadinha que reservei no caminho para os parques. Na pousada, estacionei minha moto na entrada, peguei minha mala e fui à recepção sem perder um minuto.

O gaúcho que me atendeu me deu 2 chaves para o quarto e gentilmente informou que meu namorado poderia estacionar a moto dele na área reservada quando desejasse. Expliquei que estava sozinha. E, acreditem se quiserem, apesar do ímpeto em golpeá-lo, falei numa boa…

Depois de se oferecer para pegar as outras malas, o moçoilo insistiu dizendo que meu marido poderia ficar tranquilo, pois a recepção funcionava 24 horas por dia. Desta vez expliquei de forma mais enfática: “Marido? Nem morta!” Ele, evidentemente, escaneou-me com o semblante de quem testemunhava a chegada de uma marciana ou de uma louca embriagada recém-saída de uma casa de suruba LGBT.

Quando o fulano estava quase decidindo pela opção 1 (que eu definitivamente teria nascido em algum planeta entre Netuno e a Ursa Maior), aproveitei para nocauteá-lo: “Por quê? Você não acredita que uma mulher possa viajar de moto pelo Planeta Terra?”

O gaúcho reacionista não falou mais nada.

Assim, depois de ter praticado mais um dos meus esportes prediletos (polemizar e chocar outros humanos desprevenidos), foquei em outro esporte que muito me agrada: embrenhar-me no meio do mato.

E daí esbaldei-me de vez, mais uma vez, naquele mesmo dia. Entre uma trilha e outra, momentos do mais puro deslumbramento. E note-se: a eudaimonia só é plena quando você está na mais profunda paz de sua solidão. A paisagem fica mais ampla, o som da natureza infiltra com mais intensidade em cada canto de seu corpo, o tempo é seu e só seu… E ninguém a interrompe do torpor… E ninguém ousa competir com a beleza suprema da mãe natureza. De quebra, ninguém presencia a mesma experiência que você. Aliás, não acredito num deus todo soberano, mas estou certa que o inventaram a partir de eventos sublimes como esse!

Depois do meu tempo mergulhada em êxtase total, peguei minha companheiríssima Honda e decidi finalmente jantar em Gramado.

E, como já disse muitas vezes a teimosos incrédulos da magia em aventurar-se sozinha, os deuses dos andarilhos – sim, esses deuses existem! – sempre nos abençoam com momentos de arrebatamento. Depois daquele dia maravilhoso em que viajei de moto, fiz trilhas na mata, vi paisagens incríveis e ainda pratiquei bullying light com desafortunados amantes do Bolsonaro, ainda fui agraciada com um festival de música clássica sem ter planejado tal desfecho.

Deliro pelo bom e velho Rock ‘n Roll e advogo que a vida vale a pena só para que possamos ouvir os solos demolidores de David Gilmour, Eddie Van Halen, Tony Iommi, Angus Young, Jimmy Page, Brian May, Eric Clapton, Buddy Guy, Keith Richards, Chuck Berry, Hendrix… Mas músicas clássicas também têm o poder de me fazer flutuar.

E assim finalizei aquele dia mais que perfeito: comendo um capeletti in brodo na charmosíssima Rua Coberta de Gramado ao som de um concerto gratuito de música erudita!

Logo que o show acabou, os restaurantes e bares ao redor recomeçaram novo turno de cantoria. Estava ao lado de uma cantora muito boa cujo repertório era voltado à música brasileira, mas a MPB dos velhos tempos, aquela que realmente emocionava… Fiz questão de ouvir até que o cansaço físico já não me permitisse mais continuar em posição vertical e pedi a conta. Antes de o garçom voltar com a única parte indigesta daquele dia, a cantora começou um dos clássicos de nosso mais célebre maestro:

 

Vou te contar, os olhos já não podem ver

Coisas que só o coração pode entender

Fundamental é mesmo o amor

É impossível ser feliz sozinho

 

Quando o garçom retornou, não resisti: “Os enamorados que me desculpem, mas Solteirar é fundamental!”

E saí feliz da vida. Afinal, euzinha, abençoada pelos deuses dos viajantes solitários e deslizando com minha preciosa motoca pelas Serras Gaúchas, era a prova cabal de que Tom Jobim, um dos maiores músicos que o mundo já viu, estava redondamente enganado.

E acabar tudo isso com uma bela polêmica parafraseando seu camarada Vinicius de Moraes foi a chave de ouro para mais um dia Solteirar sem igual.

Amém!

2017_05_15_SPAG_Texto 30_É possível ser feliz sozinho - Figura INTERNA - parque ferradura - imagem interna

(Visited 288 times, 2 visits today)

Comentários do Facebook


Seja a primeira a comentar

Deixe seu comentário

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Solteirar.com. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Solteirar.com poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Cadastre-se e não perca nada do Solteirar.com!
Receba nossa newsletter.




ARTIGOS SIMILARES